Atividade física, hábitos alimentares e qualidade de vida em mulheres com síndrome dos ovários policísticos / Physical activity, food habits and quality of life in women with polycystic ovary syndrome

Helena Proni Fonseca, José Mendes Aldrighi

Resumo


A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é a endocrinopatia mais comum na idade reprodutiva e, como pode cursar com obesidade e hiperandrogenismo, pode propiciar expressivo impacto sobre a qualidade de vida (QV). Por isso, a instituição de hábitos alimentares e a prática de exercícios físicos assumem particular importância, pois, ao se associarem à perda de peso, podem resultar em benefícios sobre a QV; entretanto, poucos estudos avaliaram o impacto dessas intervenções sobre a QV nas portadoras de SOP. Metodologia: O presente estudo, do tipo transversal, avaliou 85 mulheres em idade reprodutiva, sendo 43 acometidas por SOP (Grupo SOP) e 42 controles. Em todas foram aplicados questionários validados sobre hábitos alimentares, prática de atividade física e QV e coletados dados antropométricos como índice de massa corpórea (IMC) e cintura abdominal (CA). Resultados: Evidenciou-se que o grupo SOP apresentou aumento de peso significativo e pior QV (32% menor do que a do grupo controle). Apesar de não haver diferenças entre os grupos quanto à ingestão alimentar e frequência de atividade física, o grupo SOP que apresentou regular e moderada prática de atividade física, baixa CA e IMC<30 kg/m², atingiu melhor QV. Conclusão: A SOP cursa com maior prevalência de obesidade e aumento da CA e a prática regular moderada da atividade física se associou a melhor QV, ao contrário da alimentação, que não exerceu influência.

Descritores: Síndrome do ovário policístico, Hiperandrogenismo, Obesidade, Atividade motora, Qualidade de vida, Hábitos alimentares


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.