Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE): epidemiologia e qualidade de vida em estudantes universitários / Gastroesophageal reflux disease (GERD): epidemiology and health-related quality of life in college students

Nathalie Mie Suzuki, Thor Kiyohara Nakae, Paulo Carrara de Castro, José Carlos Aguiar Bonadia

Resumo


Objetivo: Analisar a frequência de DRGE e sua influência no bem-estar de universitários dos cursos de Medicina, Enfermagem e Fonoaudiologia. Métodos: Estudo transversal com 464 alunos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa
Casa de São Paulo submetidos a questionário de sintomas de DRGE. Aqueles que referiram pirose responderam as perguntas do questionário Heartburn Specific Quality of Life Instrument (HBQoL), visando avaliar a influência da DRGE em nove domínios da qualidade de vida. Resultados: 60,8% dos entrevistados referiram ter pelo menos um sintoma, sendo pirose, com 31,7% o mais frequente. Intensidade leve e frequência menor que uma vez por semana
predominaram sobre todos os sintomas. Considerando-se a DRGE como presença de pirose e/ou regurgitação pelo menos uma vez por semana, constatou-se que 15,9% dos indivíduos possuíam a DRGE. Posteriormente, estudamos, a partir do questionário que correlaciona o sintoma pirose
com a qualidade de vida, os indivíduos que possuíam tal sintoma, totalizando 31%. Dentre eles, 40,1% possuíam pirose pelo menos uma vez por semana, sendo então, diagnosticados com DRGE. Na comparação dos indivíduos com e sem DRGE quanto aos domínios de qualidade de vida observou-se diferença estatística significativa em todos eles, a saber: físico, social, trabalho, sono, dieta, vitalidade, estado geral de saúde, dor e saúde mental. Conclusão: A
DRGE é uma afecção comum na população de estudantes universitários e leva ao acometimento de todos os domínios da qualidade de vida.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.