Esquistossomose mansoni experimental: efeito do tratamento com praziquantel sobre a hipertensão porta e varizes do esôfago

Pedro Paulo Chieffi, Carmen Lucia Penteado Lancellotti, Maria Aparecida Paschoalotti, Manoel Carlos Sampaio Almeida Ribeiro, Andréia Bonizzia Zanqui

Resumo


Estudou-se a ocorrência de varizes esofágicas em hamsters experimentalmente infectados por Schistosoma mansoni e o efeito de tratamento com praziquantel. Cinquenta hamsters foram infectados com 200 cercárias de S. mansoni e divididos em dois grupos de 25 animais. Apenas um dos grupos recebeu tratamento com praziquantel (50mg/kg) em duas ocasiões, no 50º e 60º dias após infecção. Outro lote de 10 hamsters foi mantido sem infecção, constituindo grupo controle normal. Noventa dias após a infecção determinou-se a pressão na veia porta, além de pesos corporal, hepático e esplênico, em todos os animais sobreviventes que foram então sacrificados e fragmentos de esôfago foram submetidos a estudo histológico. Não ocorreram diferenças significativas na taxa de letalidade, peso do fígado e pressão no sistema porta entre os hamsters tratados ou não com praziquantel; todavia, os animais tratados revelaram aumento menor do peso esplênico e varizes esofágicas menos desenvolvidas.

Descritores: Schistosoma mansoni, Esquistossomose mansoni, Modelos animais de doenças, Mesocricetus, Varizes esofágicas e gástricas, Praziquantel


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.