Enxerto de aponeurose no fechamento da área doadora pósretalho do músculo reto abdominal convencional bipediculado em reconstrução mamária

Cândice Fonseca Braga, Aline Rodrigues Bragatto, Daniel Esteban, Luiz Fernando Correia de Campos, Roberto Marino, Américo Helene Júnior

Resumo


Objetivo - Relatar a experiência de doentes submetidos ao retalho de músculo transverso do reto abdominal (TRAM) convencional bipediculado empregado na reconstrução mamária, nos quais o fechamento da área doadora foi feito com aponeurose da bainha anterior do reto, tela de marlex ou pericárdio bovino. Método - O fechamento da área doadora foi feito com aponeurose da bainha anterior do reto em sete doentes, tela de marlex em dois doentes e pericárdio bovino em cinco. A avaliação da presença de infecção, coleções e herniações foi realizada através de exame físico (manobra de Valsalva) e da ultrassonografia de parede abdominal por um período de doze (12) meses de acompanhamento pós-operatório. Resultados - Verificou-se ausência de hérnia na parede abdominal em todos os casos estudados. Com relação à infecção na parede abdominal, detectou-se a ocorrência nos dois casos (100%) em que se utilizou tela de Marlex; em dois doentes (50%) que se utilizou pericárdio bovino e em nenhum dos casos (0%) em que se utilizou a aponeurose da bainha anterior do músculo reto abdominal. Conclusão - O material autógeno apresentou menor índice de infecção, não apresentando diferença quanto ao aparecimento de hérnias de parede abdominal, quando comparado com materiais não- autógenos, no período de 12 meses.

Descritores: Cirurgia plástica, Mamoplastia, Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos, Oncologia


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.