Aspectos etiológicos das vulvovaginites na infância

Gisela Andrea Yamashita, Janaína Fontenele Saracho, Adriana Bittencourt Campaner, Tsutomu Aoki

Resumo


A vulvovaginite na infância é a queixa ginecológica mais comum na prática clínica pediátrica diária. Existem diversos fatores anatômicos, fisiológicos e comportamentais que predispõe às vulvovaginites na infância. As vulvovaginites nãoespecíficas são de longe a causa mais freqüente desta afecção nesta população. Os fatores que predispõe a esta condição incluem desordens dermatológicas locais, coçaduras freqüentes, irritação por sabonetes e líquidos, uso de roupas justas principalmente de nylon, obesidade, masturbação e higiene precária. No entanto, as crianças podem também apresentar infecções específicas por patógenos provindos do trato respiratório e gastrointestinal e também por agentes de transmissão sexual (levantar a suspeita imediata de abuso sexual). A oxiuríase é causa comum de prurido vulvar e perianal em crianças. Corpos estranhos vaginais devem ser considerados em todos os casos de vulvovaginite recorrente. O tratamento das vulvovaginites não-específicas inclui o emprego de higiene adequada, evitar uso de roupas justas em crianças suscetíveis, utilização de calcinhas de algodão e de banhos de assento freqüentes. Para casos de vulvovaginites específicas, o tratamento é direcionado ao agente desencadeante.

Descritores: Vulvovaginite, Oxiuríase, Enterobíse, Corpos estranhos, Fatores de risco, Criança


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.