Análise dos fatores prognósticos do câncer gástrico

Ruth Patricia Velandia Moreno, Pedro Luiz Squilacci Leme, Carlos Alberto Malheiros, Elias Jirjoss Ilias, Francisco César Martins Rodrigues, Fares Rahal

Resumo


Objetivo: Estudo retrospectivo dos fatores prognósticos do câncer gástrico operado. Métodos: Foram revisados os prontuários de 107 doentes com câncer gástrico, tratados no Hospital Central de Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, no período de junho de 1998 a fevereiro de 2000. Foi possível a análise de 70 doentes. As variáveis estudadas foram: idade, sexo, estádio TNM (UICC - Union Internationale Contre le Cancer e AJCC - American Joint Committee on Cancer), classificação macroscópica de Borrmann, localização, tipo de tratamento operatório e foi aplicado o questionário de qualidade de vida proposto por Kassab. No grupo estudado foram relacionadas variáveis de sobrevivência e mortalidade para análise de proporções independentes. Resultados: Houve predomínio do sexo masculino (p<0,05). A média de idade foi de 59 anos. Usando a classificação de Borrmann, o tipo úlcero-infiltrativo (III) foi o mais encontrado (68,5%). O estádio IV foi o mais freqüente, aparecendo em 31,4% dos doentes. Quando foi possível a ressecção, a gastrectomia subtotal com reconstrução à Billroth II e linfadenectomia D2 foi a operação mais realizada (20%). A localização mais freqüente foi no antro gástrico (68,8%), seguida pelo corpo (24,2%) e fundo ou cárdia (12,8%). Não foi possível extirpar os tumores em 60% das operações. A sobrevivência do grupo estudado foi de 31.4% e a qualidade de vida, avaliada em um período de doze meses, em 22 doentes, foi regular para metade deles. Conclusões: Os fatores prognósticos favoráveis no câncer do estômago foram: estádio precoce, idade inferior a 60 anos e a localização distal do tumor.

 

Descritores: Neoplasias gástricas/cirurgia; Prognóstico, Estadiamento de neoplasias, Qualidade de vida


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.