Protocolo de padronização do atendimento de cefaleias no serviço de emergência de um hospital geral terciário / Care protocol for the management of headaches at the emergency department of a general tertiary hospital

Marina Gagliardi de Assumpção, Giovana Liberato de Castro, Rodrigo Armando Sperandio, Livia Maria Gruber Holland, Luana de Cássia de Jesus Rigonati, César Gimenes Miranda da Cruz, Nichollas Angelini Bosi, Michel Elyas Jung Haziot, Sandra Regina Schwarzwälder Sprovieri

Resumo


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que pelo menos 50% dos adultos no mundo sofrem de cefaleia, sendo a quarta ou quinta queixa mais comum nos serviços de emergências. O desafio do emergencista é garantir um atendimento adequado, que se baseie no alívio da dor e no reconhecimento e manejo de condições incapacitantes ou de real ameaça à vida, diferenciando cefaleias primárias e secundárias. Uma categorização sistemática é a melhor forma de assegurar que o diagnóstico de uma cefaleia secundária não seja subestimado. A proposta de fluxogramas para padronizar o atendimento de emergência dos pacientes com cefaleia aguda no Pronto Socorro da Santa Casa de São Paulo tem por objetivo definir triagem rápida de causas de maior morbimortalidade, estabelecer o manejo adequado conforme a etiologia e minimizar custos com procedimentos desnecessários.

Descritores: Cefaleia, Transtornos da cefaleia primários, Transtornos da cefaleia secundários, Sinais e sintomas, Alarmes clínicos, Diagnóstico diferencial

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.